segunda-feira, 24 de setembro de 2012

ITINERÁRIO A ASSIS - 28




Chegamos a Fátima, em Portugal, na parte da tarde deste domingo, dia 23/09, e tivemos um bom tempo para vivermos o tema do dia: “Maria, Mãe de Jesus, Esposa do Espírito Santo”. Desde o aeroporto de Lisboa, a Paula, nossa guia em terras portuguesas, com muita competência foi nos recordando o que aconteceu de extraordinário, milagroso e sobrenatural na Cova d’Iria. A 13 de maio de 1917, três crianças pastoreavam um pequeno rebanho; Lúcia, 10 anos, Jacinta, 07, e Francisco, 09 anos. Viviam a simplicidade do campo, a alma do cuidado e o ser puro e natural de crianças pastoras, bem do jeito que o Mistério gosta de encontrar, e no pasto fecundo espalhar suas sementes. Era meio-dia. Da família traziam o costume de rezar o terço e estavam rezando quando notaram uma intensa luz, um brilho diferente do sol daquele dia.

Pensaram ser um relâmpago e resolveram recolher as ovelhas e ir embora. Outro relâmpago e sobre a azinheira viram uma Iluminada Senhora, de brilho mais intenso que o sol e com um branco terço na mão, que os convocava a rezarem mais intensamente o rosário; e por cinco meses esta aparição concretizou-se em muitos diálogos e revelações e segredos. História que todo o mundo cristão católico conhece em detalhes.

Hoje chegamos ali, e não sem preparação. No caminho refletimos, ouvimos, recapitulamos, aprofundamos, rezamos e cantamos. Entramos em Fátima cantando o “Ave, Ave, Ave Maria”. Fomos ver a bela e espaçosa igreja da Santíssima Trindade construída em 2008. Paramos na grande esplanada, chegamos à Capelinha que está no lugar exato das aparições, fomos à Basílica reverenciar o túmulo dos três pastorzinhos que estão enterrados ali.

Vimos os devotos percorrendo de joelhos longo trecho até o lugar do milagre. Sentimos a força sagrado do lugar, nosso coração ardeu de emoção e fé, lacrimejamos os olhos tocados pela força do lugar e das pessoas simples em sua fé, que pisavam aquele chão com imenso respeito. Visitamos a silenciosa Capela do Santíssimo, a Capela da  Reconciliação; a bela exposição “No Trilho da Luz”. Tivemos o momento de busca conjunta da compreensão do mistério do lugar e depois cada um foi liberado para fazer seu caminho de peregrino. Só há um modo de ir à Fátima, ir como peregrino. Às 15 horas, a Missa na igreja maior, com a bela participação de muitos jovens do movimento Juventude Alegre de Maria (JAM), entregamos as cartas e bilhetes que vieram do Brasil para serem colocados aos pés de Nossa Senhora e lembramos todas as pessoas que queríamos trazer presentes em nossas orações. Na volta, o Angelus e o terço rezado no ônibus fechou o maravilhoso dia de Peregrinos de Fátima.

Acompanhe a nossa viagem   



Um comentário:

Denise Pires disse...

Que maravilhoso dia em Fátima. Nunca tão perto do Filho, como junto da mãe. Já rezo o Angelus diariamente, mas em Fátima, bem, é especial demais... E rezar o terço aí, uma maravilha.
"A 13 de maio, na Cova da Iria..."
Continuo com vocês.

Abraços para todos.
Denise.