terça-feira, 27 de julho de 2010

IDENTIDADE HUMANA FRANCISCANA - final

Nas escolas se forma para não existir. Nas universidades, um discurso cada vez mais técnico, prepara um mundo de profissionais saindo com visão estreita, especialistas de um reduzido espaço de compreensão. Muita gente entende de muita coisa, porém não fala de Biologia; é como se a belíssima e misteriosa sinfonia da grande evolução orgânica não encontrasse um lugar. A falta de visão de mundo leva a humanidade a viver em briga com o resto da criação.

“Francisco, vai! Restaura a minha casa!” É sempre útil falarmos da casa e estarmos em casa. A crise ecológica é não saber estar em casa. É crise de relação entre o humano e as coisas, o humano e todos o seres viventes. Restaurar a casa é aprender a falar do lugar que habitamos; é dizer e sentir, expressar tudo e todos sem esquecer nada e ninguém. Não há sentido um esquecimento da ecologia e a antropologia: “Quando olho o firmamento que criastes pergunto: quem é o humano para que dele vos lembreis?” (Salmo 8)

Devemos voltar a ser os Meninos do Dedo Verde, isto é, em tudo o que tocarmos recuperarmos a beleza e a harmonia. Diante do novo indecifrável, face ao grande mistério da vida, frente ao maravilhoso e infindo cosmo criado, ao nos medirmos com o engenho e arte do próprio humano... Qual é a nossa posição?

6 comentários:

Anônimo disse...

Caro Frei Vitório,

li a totalidade dos seus escritos "Identidade Humana Franciscana". Comecei já mais ou menos na metade, li até o final e retornei para as que faltavam. Muito lindo, verdadeiro, inspirador...
Agradecemos por este trabalho.

Abraços fraternos.
Denise.

Ricardo Mitsuo Tariki disse...

Frei Vitório,

Fiquei muito impressionado com a tua delicada postura na entrevista a que assisti, no site no Frei Moser, acerca de São Francisco de Assis.
Daí, após pesquisa sobre ti, pude ler este texto revelador da nossa condição diante do avanço hodierno do conhecimento. De fato, ficamos tão setorizados e tão pouco integrados ao Todo de Deus, que seria muito recomendável que guardassemos no coração a advertência de Francisco na Carta a Santo Antonio: que o estudo não extinga o espírito de oração e devoção!
Agradeço a Deus pela tua existência entre nós!

Ricardo Mitsuo Tariki

Marcelo Tadeu disse...

Frei Vitório, meu abraço fraterno, expressando gratidão pelos textos sobre identidade franciscana, que li e reli como quem recebe um presente do amor de Deus. Deus lhe abençõe e pague !!
Marcelo Tadeu - São Paulo - SP

Anônimo disse...

Frei Vitório;
Escutando o que você fala e lendo o que você escreve, tenho sempre a certeza que as mãos de São Francisco cobrem seus pensamentos de Benções, fazendo com que todos os que o acompanham são agraciados pela sua orientação e pelo seu exemplo. Tenho muito orgulho de ser seu amigo. Você é o "Cara" Um grande abraço.

Soleide José da Cunha - Saudades de Agudos.

Marcel Coimbra disse...

Soleide, quanto tempo! Sempre sorridente lá no saudoso Sto Antonio! Agora vc é contador/contabilista.
abraço do gordo

carla disse...

Grata!
encontrei aqui a "alma franciscana"!

Grande sintese de toda a espiritualidade Franciscana, assim como grande contributo de reflexão para o que é ser como Francisco "o homem novo".

Passar das palavras á acção, das teorias á prática, das grandes ideias ás coisas simples mas fazem toda a diferença!

Francisco não construi um grande ideal e o esquematizou como se estivesse a criar um grande projecto humano social e religioso, ele arregaçou as mangas e viveu.. só que a forma como viveu fez toda a diferença e por isso criou uma grande comunidade humana social e religiosa!

Paz e Bem
me prosto á luz das suas palavras..