sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

O Mestre Leonardo faz 70 anos!

Fiz por seis anos os estudos de Teologia com ele. Aprendi a admirá-lo como pessoa simples e sábia, coração franciscano, apaixonado pela vida, pelo povo, pelo universo e seus cuidados. Ele ensinou-me que ter fé é humanizar a vida, que não basta estudar teologia, mas é preciso ser teólogo. Ele continua presente com seu ensinamento profético, e em nenhum momento passa indiferente diante das realidades da fome, do empobrecimento, da exploração, da exclusão, os crimes ambientais. Sua presença, seus livros e palestras são sempre um grito de alerta, despertadores de consciência. Sua palavra e reflexão suscita debates, rejeições, acolhida, críticas e entusiasmo, porém nos ajuda a olhar a realidade com o pé no chão.
Ele fez da teologia um acontecimento e um fenômeno público, fala da fé mas também fala sobre a realidade social, a justiça, paz e integridade da criação. Uma teologia que não quer compactuar da iniqüidade. Uma teologia que nos ensinou a olhar para o alto e encontrarmos Deus; olhar para o lado e redescobrir a relações fraternas; olhar para baixo e perceber os ofendidos da história. Na sua matriz franciscana mostrou que a teologia deve mudar e transformar a história com os meios do Evangelho. O Mestre Leonardo representa um bom momento de uma Igreja e eclesiologia envolvida com o processo histórico de um povo e de um continente. Mostrou para nós uma verdadeira teologia, que tem atrás de si a Humanidade e não apenas bibliotecas e academias. Uma teologia que mexeu com a nossa fé e com os nossos compromissos genuinamente cristãos. Mestre Leonardo fala sempre sobre realidades extremamente conflitivas, por isto é amado e contestado ao mesmo tempo; contudo revela para nós que fé verdadeira tem que passar pelo filtro da solidariedade, pela denúncia da exploração da grande massa dos injustiçados e põe o dedo na acumulação escandalosa da riqueza em poucas mãos. Por estar apaixonado pelo cerne do Evangelho parte das angústias e aspirações dos pobres e pede a conversão das estruturas (o que aliás ocupou um lugar privilegiado na pregação de Jesus).
Mestre Leonardo continua viajando pelo mundo falando pelos que não podem falar ou são silenciados, consciência das consciências e convite às práticas libertadoras, diz serenamente e convictamente que é preciso conhecer, avaliar, analisar, saber, ir ver para transformar! São 70 anos vividos com intensidade e plenitude. O corpo pode ter lá seus limites, mas a força do olhar e das palavras continuam nos rejuvenescendo! Parabéns!
Seu ex-aluno mas sempre discípulo.

Amanhã continua o texto sobre a SS Trindade.

2 comentários:

Anônimo disse...

Desde os 15 anos de idade leio os livros de Leonardo. Naquele tempo, entendia muito pouco daquela linguagem, mas sentia a vibração em cada palavra, que me parecia escolhida com todo cuidado.
Mais tarde tive a sorte de conheçê-lo de perto.
O que mais nos chama a atenção é a humanidade contida neste mestre. Humanidade aprendida e experimentada com o menino Jesus, Francisco, José e Maria.
Valeu Frei Vitório, a homenagem a este mestre! Ele merece toda a admiração e reverência por sua escolha: os pobres!

Carinho
Thereza

Leandro Longo disse...

Sem palavras para o texto do frei Vitório.
Que o mestre Leonardo continue a testemunhar com sua palavra o sonho terno e fraterno de Francisco atualizando em nós a mensagem de Jesus tão "humano que só pode ser Deus".
Paz e bem.