segunda-feira, 20 de agosto de 2007

A Espiritualidade Hesicasta


Quando se fala de hesicasmo, pensa-se geralmente em um método de oração baseado na repetição infinita do Nome de Jesus, método codificado no ambiente do Monte Athos (foto à direita), nos séculos XIII e XIV. Trata-se da sistematização filosófico-teológica dada a esta corrente de espiritualidade por Gregório Palamas no século XIV. Trata-se de uma corrente de espiritualidade que se identifica muito bem com a espiritualidade monástica.
Essa corrente de espiritualidade perpassa os Apotegmas dos Padres e as Vidas dos Padres do Deserto. Todavia, aqueles que a descreveram com maior perfeição são os autores da chamada Escola Sinaítica dos séculos VI e VII, de um modo todo especial João Clímaco e Hesíquio o Sinaíta.
Em grego, a palavra hesychia designa um estado de calma, paz, repouso, quietude, tranqüilidade, resultado da ausência disciplinada de agitação interna e externa. É o exercício feito para se libertar do barulho, conflito, inquietude, preocupação e medo.
Assim compreendida, a hesychia, nos autores espirituais, indica também recolhimento da alma, silêncio, solidão interior e exterior, uma plena união com Deus. Este termo é também usado na espiritualidade monástica para indicar o estado de quietude e de silêncio de todo o ser humano, para que ele possa permanecer ligado no divino.

Este artigo, que foi publicado na Revista "Grande Sinal" (93), continua amanhã.

Um comentário:

Denise disse...

Prezado Frei Vitório, muito interessante e instrutivo. conheço os Padres do Deserto através de edições mais populares e de aula no curso cooerdenado por Frei Neylor. Mas na verdade, procuro estar neste estado de oração(difícil de conseguir para quem está no mundo) e desconhecia que denominava-se "hesychia". Preciso muito, sempre de recolhimento da alma, silêncio, solidão interior e exterior para tentar conseguir estar com Deus. Confesso que já tive vontade de ser Monja, para ter "espaço" para experimentar Deus desta forma.Mas procuro isto no meu cotidiano de pessoa comum, preciso muito deste silêncio para estar em contato com Deus, e pequenas turbulências na minha alma me afastam do Senhor (mesmo celebrações ruidosas ou excesso de festas religiosas)isto me desagrada muito.
Sua benção.
Denise.