sexta-feira, 2 de setembro de 2011

ESPIRITUALIDADE PARA UMA VIDA VIRTUOSA - 6

Dons e frutos são elementos necessários para construir e reconstruir a casa forte e ideal. Quem disse que não existe pessoa ideal ? Pessoa ideal tem um ideal de busca virtuosa. Está sempre buscando o aperfeiçoamento espiritual, emocional, físico. Busca e cultiva um desenvolvimento. Em quantas pessoas, homens e mulheres, não encontramos a confiança, força, liderança, proteção, sustento, objetividade, flexibilidade, sensibilidade, carinho, sinceridade, sabedoria, suavidade, afetividade, sexualidade... Pessoas que têm objetivos claros. Quanto mais alto o objetivo, mais alto chega ao patamar de sua vida vivida com inspiração. Quantas pessoas que encontramos que têm o prazer em viver, têm prazer em cada inspiração, sorriso leve e fácil, e que não despreza nada e ninguém.

Falemos dos Dons do Espírito um tema não muito trabalhado. Hoje, quando se fala de Espírito Santo se restringe à força dos movimentos. Invoca-se o Espírito Santo, mas se reflete pouco sobre os Sete Dons, que já estiveram mais presentes na piedade e devoção. A reflexão teológica do ocidente concentra-se mais em Jesus Cristo; é na reflexão teológica do oriente que o Espírito Santo está mais presente. Quando se fala da Santíssima Trindade e do envolvimento amoroso das Três Pessoas Divinas, o Espírito Santo é o mais desconhecido. Será que não sabemos bem o que fazer com esta força?

No oriente, o Espírito Santo é sempre buscado e percebido como uma força interior, uma interioridade pessoal que se manifesta no comum; tem a sua invocação priorizada na liturgia e faz do cristianismo um cristianismo de contemplação. No ocidente, o Espírito Santo é invocado para fazer funcionar atividades, reuniões, decisões, assembleias, sínodos, hierarquia; e torna-se a prece necessária para um cristianismo de ação. O Espírito Santo não é uma oposição ao corpo e à matéria, mas sim um deixar-se animar pelo Espírito que movimenta a realidade em seu todo. Ele é a luz e o ar que a casa respira, está no espaço infinito que preenche o finito das paredes da casa; é a casa e seu interior.

Quando olhamos a Bíblia, vemos que o Antigo Testamento coloca o Espírito como o absoluto, o sopro, o vento, a brisa, um sentido cósmico ( cfr. Am 4,13; Sl 51,13; Is 63,10; Sab 1,5; 9,17). É o espírito de Deus, o Elohim. No AT, o Espírito do Senhor aparece como YHWH. No NT é sempre um valor teológico e tem uma aproximação cristológica: Espírito do Filho (Gl 4,6) , Espírito de Cristo ( Fl 1,19; At 16,7; 1Pd 1,11). Mas tanto no AT como no NT é o Espírito que traz a sabedoria (Dt 34,9), a verdade (Jo 14,17), a vida (Rm 8,2), a adoção (Rm 8,15). Tem suas ações e seus efeitos. No At sopra, cai sobre, toma conta, espalha, empurra, conduz preenche, desce, vem, entra, fala, guia, vivifica, testemunha ( cfr Nm 24,2; Ez 11,5; 1Sm 16,14; Is 32,15; Gd 13,25; Ez 8,3; Dt 34,99; Mt 3,16; Jo 15,26; At 2,4; Ap 11,11, Mt 10,20; Gal 4,6 ; Jo 6,63; At 5,32). A Bíblia coloca o Espírito Santo em movimento, numa atmosfera de espaço vital entre o humano e o mistério, impalpável e invisível, que põe sempre o humano numa dependência de seu sopro.

Continua amanhã

Um comentário:

Anônimo disse...

Prezado Frei Vitório,

não tenho comentado, mas tenho lido e relido todos os artigos desta série com muito cuidado e atenção. Grandes ensinamentos.
Muito agradecida.
Sua Bênção.
Denise.