terça-feira, 28 de julho de 2015

FRANCISCO E A AMIZADE


Francisco de Assis, amigo de Clara de Assis, amigo de Ângelo, de Rufino, de Leão, seu amigo pessoal, confidente, confessor e secretário. Francisco amigo de todos da Fraternidade, Francisco amigo e Irmão de todos os seres da natureza. Uma amizade de presença, carinho, reconhecimento, retribuição, elogios, uma amizade realmente fraterna. Ao seu redor todos se sentem amados.

No caminho de Francisco a amizade é uma seta indicativa de lugar relacional, porque traz a raiz sólida de uma força de convivência. Todo o bom relacionamento tem interferência  na vida e na prática. Como atuar no comum sem a força de um amor fraterno pessoal?  Olhemos para Francisco como ele se aproximava de tudo e de todos: como amigo e irmão, com amor cálido, cordial e intimidade fraterna. Temos que aprender com ele!

Nossas aproximações às vezes são de interesse, de afirmar nosso lado de saber, ter e poder. Isto atinge nossa formação, nossa eclesialidade e vivência comum. Nem sempre foi priorizado o âmbito do coração, do sentimento, da afetividade e da emotividade. Muitas vezes, quando temos aproximações marcantes com alguém, somos rotulados de carentes, além de aparecerem expressões de inveja, ciúme, repressões, tensões e rupturas.

Há amigos, se é que assim podemos chama-los,  que se aproximam enquanto levam vantagem. Depois entram num ostracismo sem tamanho quando você deixou de ser útil para eles. Porém,  há aqueles que despojadamente são fiéis escudeiros de uma vida.

Imagem acima de Piero Casentini: Francisco e seus companheiros.

Continua

Um comentário:

Graça disse...

Sobre isso e sobre o apego ao poder, tenho pensado longamente. Sobre o uso que se fazem das pessoas. Sobre o gelo que se dá a elas quando são brilhantes e podem ofuscar a vaidade de outros...sobre o querer controlar sempre, mesmo que se afirme não querer tal e tal cargo aceita-o direta ou transversalmente controlando e imprimindo suas vontades a quem porventura possa ocupá-lo. Amizade e interesse são pólos opostos e dificilmente podem convir uma ao outro. Parabéns Frei Vitório pela doçura sem conto-de-fadas!