terça-feira, 4 de setembro de 2007

A Espiritualidade Hesicasta - 13ª parte


7. A Oração como bondade do coração
O que mais impressiona, em pessoas que seguem a via hesicasta, é a sua capacidade de criarem dentro de si mesmo e ao redor de si certas condições para serem elas mesmas a encarnação de uma oração contínua: a sua mansidão, a sua imensa bondade e o seu modo, reconciliado, de relacionar-se com todas as criaturas.
Conta-nos o Peregrino Russo: “Quando rezava, no fundo do meu coração, tudo o que me cercava aparecia sob um aspecto maravilhoso: árvores, ervas, pássaros, terra, água, ar... tudo parecia dizer-me que existem para o homem, que através do Amor de Deus, tudo rezava, tudo cantava a glória do Senhor. Compreendia assim aquilo que a Filocalia chama de consciência, o conhecimento da linguagem da criação, e via como é possível conversar com as criaturas de Deus”.

Imagem "Francisco", do artista plástico Frei Pedro Pinheiro

Amanhã, o nº 8 "Oração e atuação no mundo"

Um comentário:

Denise disse...

Prezado Frei,
lendo estes artigos dá uma vontade enorme de seguir a via hesicasta. Identifico momentos de minha vida de oração com muitos trechos dos escritos do senhor.
Bonita pintura de Frei Pedro.
Sua benção.
Denise.