sexta-feira, 27 de março de 2015

ANO DA VIDA RELIGIOSA CONSAGRADA - Alguns Apontamentos - X



52. Seguir e imitar Jesus não é fazer apenas o que ele fez e copiar a fisionomia externa de sua vida, mas sim SABER  o PORQUÊ e COMO ele fez, os valores de seu agir. Isso é que deve ser compreendido e imitado (cf. Fl 2,5). Devemos ter o pensamento (1Cor 2,16) de Jesus, temos que ser cristologicamente mentalizados. Seguir a partir de dentro. Viver em Cristo! Jesus é o modelo de cada perfeição (PC 2 e LG 40). É perguntar sempre: porque e como (com que sentimentos) faria Jesus o que eu faço agora? Ele agia a partir do Amor! Seguir e imitar Jesus é realizar um relacionamento fundamental de Amor! Ele é o Verbo Encarnado, é o Amor Encarnado. O seu verdadeiro e supremo modo de ser no Amor porque é o Amor, a Misericórdia e a Verdade (Jo 13,34; Mt 11,29). Não basta agregar-se a um grupo, é preciso uma adesão ao seu ideal de vida.

53. A missão dos Apóstolos era não apenas dar uma doutrina, mas mostrar um modelo de vida (Jo 13,15). Seguir e imitar sabendo o porquê do seguir e imitar. Imitar a Perfeição de Deus como máxima vontade. “Sede todo bondade como o Pai do céu é bom” (Mt 5,48; Lc 6,36; Ef 5,1). Uma vida operante no Amor. Uma fé operante no Amor. Uma verdade que se traduz no Amor! Mudar o coração para mudar a vida! Na Vida Religiosa Consagrada nós perdemos muito tempo brigando em querer mudar as estruturas e leis, o que é bem mais fácil... O difícil é ser o Amor de Deus encarnado!

54. O Amor que move Jesus, a razão última de seus sentimentos é a obediência incondicional à vontade do Pai e amar até a Cruz. Por Amor renuncia a sua vontade para realizar uma vontade maior, a vontade do Pai. Sua vida é Via-crúcis! Abraçar a Cruz e seguir (Mc 8,34; Mt 10,24; Lc 5,40 ). É a prova do mais profundo e verdadeiro Amor (Jo 15,13). É obedecer por Amor! Aceitar, na fé, um projeto do amor sobre mim! Não podemos entrar na Vida Religiosa Consagrada para cumprir um ponto de vista teológico específico, prioritário, em função de um serviço, para atingir um objetivo apostólico. Entra-se na Vida Religiosa Consagrada porque Jesus Cristo assumiu a centralidade da minha existência e me leva à mais plena doação no Amor. Crer nesta verdade é fazer crer aos outros que o nosso amor é algo muito sério! A partir desta centralidade, desta atenção constante ao Amor Perfeito se explica a identidade da vocação à Vida Religiosa Consagrada, que é uma exigência ilimitada e radical do Amor. Este é coração do seguimento.

55. A Igreja Primitiva compreendeu o projeto e o programa de vida evangélica e por isso tinha a perfeição cristã como ideal de vida próprio de todos os discípulos e discípulas de Jesus, sem monopólio ou classes, ou status entre os fiéis. Não havia modos de atuar, o que havia era um carisma fundamental de Amor e Serviço. Todos são eticamente empenhados em fazer valer uma vida cristã. Comunidade, grupo, fraternidade têm que ser o Corpo Físico de um Corpo Místico. Isto é o mais importante, o resto é organização institucional. Instituição sem amor e caridade não tem valor. Ser cristã, ser cristão é dizer: sou chamado(a) à santidade e à perfeição. Por isso Paulo chama os fiéis de santos: “Saudai todos os santos!” A Igreja Primitiva, sensível e fiel, era a pluralidade de cada identidade dos seguidores e seguidoras do Evangelho. Cada fiel deve se realizar heroicamente no seu estado de vida. Não existia na Igreja Primitiva uma fórmula particular e específica de seguir a Jesus Cristo.

A foto de Francisco abraçando o Cristo Crucificado é da sede da Ordem Terceira Secular de Petrópolis. 

Continua

Nenhum comentário: