terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

FESTA DE SANTO: UMA ESPIRITUALIDADE BRASILEIRA - I


INTRODUÇÃO

Uma Introdução com jeito de DEFINIÇÃO

O estudo da Religiosidade Popular ganha evidência a partir de 1968, quando a Igreja da América Latina, na Conferência dos Bispos em Medellín, volta o seu olhar para a piedade popular, para o catolicismo popular, para a fé popular, um jeito de viver a fé na periferia do mundo. É a experiência religiosa de comunidades. Nesta experiência, o povo age com grande espontaneidade, autonomia, linguagem simples, grande sabedoria, linguagem corporal e simbólica, forte tradição oral, fórmulas bem decoradas ou improvisadas, muito sentimento e emoção, pouco clerical, não afastada, porém não muito atrelada à religião oficial.

É um fenômeno que não nasce por decreto de ninguém. Há muita dominação na faixa do sagrado, e as pessoas acham isto normal. É o encontro da fraqueza particular, ou de uma acomodação pessoal, com a face da fortaleza institucionalizada. A Religiosidade Popular quer ser forte junto com um povo forte.

Na religiosidade popular há um respeito muito grande para com os Santuários (o zelo, o tirar o chapéu, “ Deus vos salve Casa Santa”). É uma espiritualidade ligada à vida; pouco livro, improvisação jeitosa (enfeites de papel, adaptação de benditos, histórias ligadas ao santo festejado). Fé em Deus, em Nosso Senhor Jesus Cristo, nos Santos e Santas, é uma religiosidade católica que tem  um comportamento natural diante de imprevistos; senso comunitário, muitas procissões, muita cantoria, valorização da festa, remédios, rezas e simpatias, bênçãos, e uma fé inquebrantável na certeza que as doenças serão curadas.

Continua

Nenhum comentário: