quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Clara de Assis - 5: A contemplação

O jubileu de Clara de Assis, no ano de 2010, trouxe o tema da contemplação. Não é fácil para nós, pessoas de intensa vida de atividades, falarmos da experiência contemplativa. A contemplação passa longe de nosso jeito; e por isso também não é fácil falarmos da contemplação em Clara de Assis. Quando vamos ao conceito de contemplação não é difícil, basta olharmos a experiência monástica. Mas Clara escapa da prisão dos conceitos; em Clara de Assis há algo sutil e especial; ela cria condições internas e externas para a intimidade com o Esposo. Na interioridade está o silêncio e a natureza própria do lugar, o mosteiro e a natureza que a envolve (ser Esposa). Na exterioridade ela cria as melhores condições de vida fraterna ( ser Mãe e Irmã). É algo forte de amor esponsal, fraternal, filial, intensamente espiritual e afetivo. A contemplação em Clara é um estado de vida. Viver com os olhos da alma, viver com os olhos da prece, viver com olhar amoroso. A contemplação de Clara é uma presença agradecida, reconhecida, reverente, eucarística, olhos e ouvidos na Palavra, é uma  pura restituição: dar ao Senhor o que lhe pertence.

Quando lemos a vida de Clara de Assis nos toca a imediatez da sua vocação. Estar no oculto do palácio de sua família nobre, ir para a orante e fraterna comunidade dos frades na Porciúncula, recolher-se, por breve tempo, no mosteiro das Beneditinas e, finalmente, fixar-se para sempre em São Damião. Tudo isto não foi feito sem o estar bem dentro da experiência. Quem sabia viver como uma dama nobre recolhida no palácio da família, aprendia a viver oculta no mosteiro. A vida de Clara foi assim: sair do mundo, sair dos  bens materiais, amar a convivência e ajuda aos pobres e leprosos, ser serva junto com os servos da casa de sua família, descobrir a vida a partir do Evangelho, solidão fraterna como o dom de estar junto, oração contínua, trabalho para auto sustentação, uma  forma de vida religiosa como substituição radical da vida nobre e burguesa do passado, a liberdade de renunciar tudo, ser uma oferenda total cotidiana, um ágape de amor, um amor que não pode ser senão sacrifício feito com serena alegria. Assim como Francisco, Clara faz parte dos loucos de Amor, loucos por Deus. O primeiro passo desta loucura é o seu louco amor pelo Esposo pobre e crucificado. Tudo isto fez da vida de Clara uma contemplação natural. O Amado buscado no silêncio do claustro não é somente uma estrutura de vida de uma jovem e bela monja, mas é fato de Amor, é história de Amor. A contemplação em Clara é puro enamoramento, é o estar intimamente e permanentemente na recordação  de Deus como o sentimento de uma presença. A vida de Clara foi o sair para entrar. Sair não como fuga, mas entrar no coração do Amado. É como diz um verso de Mário Quintana: “ Amar é a alma mudar de casa”.

A contemplação em Clara é o seu diálogo pessoal, íntimo e profundo da jovem bela de Assis  com o Deus glorioso e crucificado; o mistério de comunhão entre a mulher que se consagra e faz desta consagração um encontro pessoal. Contemplar é ver o Amor face a face. O Amado está além de tudo o que existe, mas está em tudo o que existe, é preciso descobri-lo ali. Vê-lo em tudo porque ele está em tudo. É conhecê-lo a partir do filtro do Amor. Quem ama conhece, fala, ora, sente o coração purificado e agraciado. Quem ama é sensível, é profundamente humano. A contemplação em Clara é uma leve prática ascética de cuidar, orar, fazer e conviver. Se tem que fazer, faz por inteira, faz com o coração. Direciona a sua paixão para sublimar a sua capacidade de amar. A contemplação em Clara é ser Pobre, isto é, esvaziar-se de si mesma e oferecer o seu eu. Sair do mundo e entrar na casa do Amado.
A contemplação em Clara faz parte do fenômeno místico que surgiu com força da experiência emergente das mulheres nos séculos XII e XIII. Um modo próprio de viver a fé sem a mediação do clero e de uma teologia rigorosamente intelectual que bebia na fonte da escolástica. Para o tempo experimentar Deus era uma experiência possível através do conhecimento teológico; para as mulheres da época que entraram nos mosteiros, experimentar Deus era abraçá-lo através de uma vida e linguagem de amor. Matilde de Magdeburgo, uma mística medieval, chamava  esta experiência de  “Senhoras do Amor”, a emanação feminina que  enlaça um diálogo de amor com Deus. É a mística nupcial, ou o esponsalício místico.  Deus é encontrado na sua humanidade e na sua divindade: Menino, Esposo, Homem da dor e do sofrimento, misericordioso, bondoso, materno e paterno,  Rei e  Príncipe. É um amor que leva à união mística. Entrar no mosteiro é entrar na casa do Amado, na alma do Amado, como um lugar privilegiado da transcendência.  Assim fizeram Juliana de Norwich, Gertrudes de Helfta, Margarida Porete, Humiliana de Cerchi, Benvenuta  Bojani, Matilde de Magdeburgo, Margarida de Cortona, Hildegarde  de Bingen, assim o fez  Clara de Assis.  Estas mulheres viveram a contemplação como uma nova teologia da ternura e refizeram o Cântico dos Cânticos.

Deus não é  distante e rigorosamente austero como apresentava a cultura monástica de então, mas sim uma Mãe amorosa, um Pai bondoso, um Esposo que faz o coração vibrar de Amor,  refúgio, consolação, benevolência e encantamento. De um modo simples e sensível, Clara faz de São Damião o seu lugar contemplativo: espaço, tempo e eternidade. Um lugar de parar e ao mesmo tempo de fazer um caminho espiritual, esta é a dinâmica da vida contemplativa. São Damião é o templo da intimidade, sacrário do Espírito do Senhor, santuário, lugar para  habitar espiritualmente. Contemplar é ter o domínio das horas na constante recordação de que tudo é sagrado, porque o amor que está n coração diviniza o tempo. É uma privacidade que não é  passividade. É um desejo que não é  reprimido , mas  intensamente acolhido. Uma vida que não é  estagnação, mas processo amoroso que unifica o ser.

Tomás de Celano escreve  em sua Vita I, 20: “ De tal modo as Damas Pobres adquiriram o dom da contemplação que  nela aprendem o que se deve fazer e o que se deve evitar; conseguem, com extrema facilidade, manter-se na presença de Deus e permanecem constantes, dia e noite, no louvor divino e nas orações” Contemplar é aprender o que se deve fazer e evitar sob o filtro da prece. É discernir sempre a partir do melhor.

Clara de Assis escreve à  Inês de Praga: “ Caríssima, alegra-te sempre no Senhor e não permitas que te envolva nenhuma névoa de amargura, ó senhora amadíssima em Cristo, alegria dos anjos e coroa das irmãs. Aplica tua mente ao espelho da eternidade, põe tua alma no esplendor da glória, coloca teu coração na figura  da divina substância e transforma-te, inteiramente, pela contemplação, na imagem da divindade, para  que também tu possas experimentar o que experimentam os amigos quando saboreiam a doçura escondida que o mesmo Deus reservou desde o princípio para aqueles que o amam” ( II Carta a Inês de Praga ).

Contemplação em Clara é alegria, realização, mente focada no Amor, coração tomado pela substância divina, transformação, doçura saboreada, e  tudo isto e muito mais sem deixar, um instante sequer, decair. É enlevo, êxtase, prática e presença. Que Santa Clara de Assis nos ensine a contemplar!

2 comentários:

Ricardo Silvino da Cunha disse...

Olá Frei,
Paz e Bem,
.
Sou Vicentino em Gaspar-SC, fiz um curso sobre missão franciscana e centro social franciscano, faz alguns anos em Balneário Camboriú. Vejo crescer a maçonaria e Lei da Atração (as quais me tenta muito). Tentei me envolver com a Economia da comunhão mas não me engajei satisfatoriamente. Sou formado em Adminstração pela Furb, pretendo montar um site de comércio eletrônico com produtos sustentáveis. Meio período trabalho dando aulas de informática no SESI-SC.
A questão é a seguinte: Quero muito contribuir financeiramente e espititualmente para a missão franciscana e preciso ser preparado. Minha ideologia é capitalista, com queda para a Economia da comunhão. A minha riqueza, bem estar pode ser em plenitude que jorre e ilumine os que estão a minha volta. Pedi sabedoria, pedi muito a Deus isto, e está vindo conforme a minha capacidade. Me falta agora uma motivação maior, ou uma instrução, ou uma ideologia. Ando cansado. Meu serviço não rende. Leio variados textos. Preciso de apoio, sou uma ovelha meio surda.
Att. Ricardo Silvino da Cunha.
ricardo@silvinodacunha.com
aguardo contato.
Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

Anônimo disse...

Prezado Frei Vitório,

que a querida Santa Clara nos ensine a comtemplar! Lindo artigo.

Sua ~Bênção.
Denise.