quinta-feira, 12 de julho de 2012

OS ÍCONES E AS IMAGENS - VIII

A Imagem permite aquilo que seria apenas uma experiência puramente interior e inefável, um elo que liga a pessoa a uma comunidade religiosa, mas muito mais a uma totalidade, na qual se crê ver um sinal divino. A Imagem alimenta também a fé. A Imagem é a transfiguração da realidade material; permite a passagem do cotidiano para o  eterno.

A Imagem traz a Espiritualidade do Olhar. O olho é um dos símbolos mais comuns nas representações religiosas da humanidade. Órgão ativo da percepção visual, ele está estreitamente ligado à luz. Sem ela, o olho não pode nem discernir nem ver claramente. É o fato de ver que explica que, na maior parte das culturas, o olho é símbolo da percepção intelectual e da descoberta da verdade: o olho sabe por que vê. A pupila é uma  alma em miniatura. O mundo do humano é o seu olhar. O olho é o espelho da alma, a janela do corpo que revela os pensamentos profundos. “A lâmpada do corpo é olho. Se, pois teu olho é são, todo teu corpo será luminoso, mas se teu olho é mau, todo teu corpo será tenebroso.” (MT 6, 22-23)

Espelho do interior, o olho é o lugar onde se entrevê a vida misteriosa da alma. O olho descobre alem das aparências físicas que ele percebe, tornando-se assim o lugar de uma revelação interior. A expressão “seus olhos se abriram” significa a revelação de uma verdade, racional ou religiosa.

O olho esta ligado ao sol como astro luminoso, ele vê tudo, irradia e faísca por seu olhar, que pode ser penetrante como uma flecha. Olho e sol revelam valores morais e religiosos segundo os quais toda visão é de clarividência, de retidão e de justiça. Assim como o sol ilumina projetando em toda parte sua luz, assim também o olho procura descobrir tudo e tudo vê, mesmo as faltas e os crimes.

Continua

2 comentários:

Denise Pires disse...

Prezado Frei Vitório,

tenho acompanhado os seus maravilhosos textos dessa série. Para mim, que sou tão "visual", está sendo muito interessante. No de hoje, esses olhos, esse olhar, somado ao texto, fez-me perceber com realismo que o olho não pode ser seletivo e ver apenas o belo e o bom. Muitas vezes é imperativo que o mau/mal seja "olhado". E quando esse nos atinge existe sempre a possibilidade e mesmo a necessidade de perdão, do difícil perdão.
Muito agradecida também pela Novena dos 800 anos de Santa Clara, já salvei no meu PC e já imprimi. Além de que certamente participarei em alguma igreja Franciscana, farei em casa também, uma época muito especial.

Abraços fraternos.

Denise.

Ane Santos disse...

Parabéns pelo blog, que Deus continue te inspirando através do Espirito Santo.

Já estou seguindo, se quiser, visite meu blog:
http://diariodeumavocacionada.blogspot.com/

A Paz de Jesus e o Amor de Maria.