segunda-feira, 17 de março de 2008

Feliz Páscoa! (1ª parte)


Minhas Amigas, Meus Amigos!

PAZ E BEM !

Olho, escuto e vejo desesperança nas pessoas. Mostram-me motivos: estão impressionadas com a violência urbana, com os conflitos no Tibet, com a radicalidade das FARC. Outras estão impactadas com doenças que pareciam tão longe e que já levou à morte alguém tão perto! A lista é grande: aumento de acidentes rodoviários, o medo de sair de casa em São Paulo, pois cada dia a primeira notícia da manhã são quilômetros de engarrafamento, como se a vida da cidade fosse só carros! A agressividade na escola, a desilusão política e partidária, uma menina de 12 anos presa em cela comum, brasileiros e espanhóis expulsos ou barrados em aeroportos. Há pessoas que são muito influenciáveis por textos, que aliás não têm nenhum fundamento comprovado, que povoam nossos e-mails nos abarrotando de insegurança! Se você acreditar na negatividade que eles trazem, pois tudo é golpe, corrupção, roubo, extorsão, vírus...então é melhor providenciar a corda...., pois viver é impossível! Ou, então, os que acreditam naquele lado ácido dos "diogo mainardis" da vida, profetas de uma elite burguesa e acomodada, que não fazem nada, mas se acham no direito de fazer os outros pensarem igual. Outros ainda repartem racismo, preconceito, falas e escritos tendenciosos, piadas de mau gosto.... sem nenhum pingo de reflexão ou postura de lucidez crítica.... Analisando tudo isto...como desejar Feliz Páscoa?

Mesmo assim sou um credente da Vida! O presente tem mais coisas positivas e maravilhosas do que a manchete trágica e direcionada do cotidiano pode me mostrar! Acredito na Ressurreição a cada manhã! Se faço uma opção pelo amor, pelo bem, pela solidariedade com que posso abraçar cada detalhe da vida, então ressuscito a cada instante! Ressurreição é acreditar em nosso Futuro Absoluto! Não tenho medo do amanhã! Construo com vontade de melhorar o dia seguinte da minha vida e das pessoas. Cuido para que o amor, a amizade, a sensibilidade não sejam tragados pelo pessimismo crônico. A negatividade faz mal, e ao persistir o sintoma, o Médico deve ser consultado! O Ministério do Sadio adverte: alimentar a chatice faz mal à Saúde!

Ressuscitar é acreditar que o nosso Deus, olhando onde a humanidade foi parar por livre arbítrio, mesmo assim quis ser como nós e tomou a nossa forma e nosso jeito. Por isso, Páscoa é fazer a Passagem, em cada momento da nossa realidade humana, para uma atmosfera divina. É a nossa re-entronização na nossa Identidade Absoluta: somos filhos e filhas de Deus e temos que reconquistar o Paraíso perdido!

Ressuscitar é vencer o mecanismo desgastante da morte, e, passo a passo,nos purificarmos para a grande Verdade da Vida: o Amor exige não acabar jamais! O primeiro passo é valorizar-se mais! Não ser cópia de nada e de ninguém, sobretudo ser alguém que não se vende e não compra coisas e opiniões, transformando-se num ShopTime, ShopTour, num PoliShop, um consumista desenfreado que gasta sua renda e sua opinião em coisas efêmeras, inúteis e descartáveis. Há pessoas que me ligam para atacar o preço altíssimos dos livros, do colégio, da cultura, da música, do lazer, dos bilhetes, dos emolumentos, mas não se questionam que depois da Era do Celular tem que escolher: ou a sua conta telefônica ou os bens mais simples e essenciais para dar conta de seu crescimento. Você morre contabilmente, cada mês,com no mínimo 258 reais de pós-pago, você gasta, cada semana, mais de 30 reais de crédito no pré-pago... mas é muito caro comprar um livro de 20 reais ou ir a um show ou teatro de ingresso a 15 reais?! Depois que veio o celular, você é assaltado cada mês num impulso louco de ligar, ligar, ligar... e esquece que impulsos têm custo alto! Este é apenas um exemplo de como nós mercantilizamos os nossos costumes e vamos nos acabando feito oferta, saldo e liquidação... Nas nossas carteiras, antigamente, tínhamos a luz de cartões com mensagens do mais puro crescimento devocional... hoje brilham os cartões de crédito... Como fazer a passagem do mercantilismo para o altruísmo, do egoísmo para o civismo, do consumismo para o franciscanismo? É preciso dizer como Roberto Crema: “Estou mais para Teillard de Chardin do que para Pierre Cardin!”

Continua amanhã...

Um comentário:

luciana de fatima disse...

ola frei vitorio!
LI O SEU TEXTO E ACREDITO PLENAMENTE QUE PODEMOS SER FELIZES,COM UMA COMPRA DE AMOR, COMPAIXÃO E CARIDADE COM O PROXIMO, COMEÇANDO COM O MAIS PROXIMO, QUE SOMOS NÓS MESMOS. SEMPRE ACREDITEI NO CRISTO RESSUSCITADO, A CADA DIA QUE ACORDAMOS E DIZEMOS BOM DIA NA GRAÇA DE VIVERMOS INTENSAMENTE.
COM CARINHO! LUCIANA PAULETTI MOTA OFS.