terça-feira, 25 de abril de 2017

FRANCISCO E A HUMILDADE


De um modo preciso e brilhante, Tomás de Celano narra como Francisco de Assis propunha a humildade: “A humildade é a guarda e beleza de todas as virtudes. Não sendo ela colocada como fundamento da estrutura espiritual, quando esta parece crescer, avança para a ruína. A humildade, para nada faltar ao homem ornado com tantas graças, o cumulara com mais copiosa fecundidade. Na verdade, segundo a sua própria reputação, ela nada era, a não ser um pecador, quando na realidade era a beleza e esplendor de toda espécie de santidade. Na humildade, ele se esforçou por edificar a si mesmo, para que à base estivesse o fundamento que aprendera de Cristo (...)  Nele  prevaleceu somente uma cobiça: tornar-se melhor, de modo que, não contente com as primeiras virtudes, acrescentava-lhes novas.

Era humilde no modo de ser, mais humilde no sentimento, humílimo na própria reputação. Não se percebia que o príncipe de Deus era um prelado, a não ser por esta claríssima pedra preciosa, porque estava presente como o mínimo entre os menores. (...) Estava longe de sua boca toda altivez, longe de seus gestos toda pompa, longe de seus atos toda soberba.

Aprendera por revelação o sentido de muitas coisas; discutindo-as diante de todos, antepunha às suas opiniões, as opiniões dos outros. Acreditava que o parecer dos companheiros era mais seguro e que o modo de ver alheio era melhor do que o próprio. Dizia que não deixara tudo pelo Senhor aquele que retinha as bolsas do próprio modo de pensar” ( 2Cel 140 ).

A humildade e a paciência são as rainhas das virtudes. Como a raiz da palavra de onde surgiu, a humidade é escondida e fecunda como o húmus. É o alicerce de reconstrução das ruínas. É o terreno fértil onde são semeadas novas virtudes. É modo de ser, sentimento que que se entrega, identidade que se revela se forçar. É minoridade. É renúncia de ostentação. É fazer valer a verdade do outro. É não ser narcisista na atuação, na pregação, na ação de guiar um grupo ou estar à frente de uma determinada tarefa. A humildade se esconde, e deixa que falem as obras.

FREI VITÓRIO MAZZUCO

Nenhum comentário: