segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

FRANCISCO DE ASSIS, HISTÓRIA E HERANÇA


Esta é uma obra que faltava no Brasil para ampliar ainda mais o nosso conhecimento sobre Francisco de Assis. É uma obra de vários autores, que na primeira parte mostra a História de Francisco e na segunda parte a herança de Francisco. A nova forma de vida de Francisco gradualmente se cristalizou após um período em que viveu como eremita fora de Assis, restaurando igrejas em ruínas, corrigindo seus erros, apoiando a sua vida nas escrituras. Enfim um caminho de maturidade espiritual. Vive o estilo da igreja primitiva e dos apóstolos. Era muito consciente da total presença divina, fazendo com que todo o mundo fosse um anfiteatro para o louvor ao Criador.

Seu ideal teve um grande apelo para uma ampla variedade de pessoas de várias origens, seus seguidores também onipresentes, levaram sua mensagem de penitência e renovação com força missionária. Sua Regra de Vida é uma força vital e vinculativa. Este livro concentra-se no fundador e no primeiro século da vida e do apostolado de seus primeiros discípulos. O último capítulo fala da era moderna e ao mundo do ecumenismo, ao qual Francisco é uma figura atraente.

Imperdível esta obra! Leiam: Francisco de Assis, História e Herança, Michael J.P. Robson ( Org.), Editora Santuário, Aparecida,SP,2012.

FREI VITÓRIO MAZZUCO

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

FRANCISCO DE ASSIS, EM BUSCA DE DEUS

“Nada se improvisa na vida de uma pessoa. O ser humano é sempre filho de uma época e de um ambiente, como as árvores e as plantas. Um abeto não cresce nas selvas tropicais nem um baobá nas alturas nevadas. Se um alto expoente humano surge na cadeia das gerações, podemos estar certos de que não brota de improviso como os cogumelos nas montanhas".

"Nossa alma se recria à imagem e semelhança das ideias que gravitam ao nosso redor, e nossas raízes se alimentam, como que por osmose e sem que o percebamos, da atmosfera de ideias que nos envolve. Para sabermos quem é o ser humano, temos que olhar ao seu redor. É o que chamamos de contorno vital.
Quando entrou no mundo pela janela de sua juventude, o filho de Pedro Bernardone deparou com um quadro de luzes e sombras. As chamas da guerra e os estandartes da paz, os desejos de reforma e a sede de dinheiro, tudo estava misturado na mais contraditória fusão. Se quisermos desvelar o mistério de Francisco de Assis, pelo menos alguns segmentos, é essa a pretensão deste livro, comecemos observando o que acontece ao seu redor”.

Com estas palavras do autor, apresento esta obra indispensável: O Irmão de Assis, de  Inácio Larrañaga, Paulinas, São Paulo,2000.

FREI VITORIO MAZZUCO

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

FRANCISCO DE ASSIS E O SENTIMENTO ESTÉTICO CHEIO DE VIRTUDES

Uma das obras mais lidas no mundo franciscano é a biografia São Francisco de Assis, de Maria Sticco, Vozes, Petrópolis, 2001. É uma obra escrita por alguém que amou profundamente São Francisco de Assis. A autora nasceu em Perugia, aos 23 de Novembro de 1891 e faleceu em Assis no dia 18 de março de 1981, aos 90 anos. Uma mulher de literatura e espiritualidade e que muito contribuiu para a espiritualidade franciscana. Tornou-se uma leiga intelectual consagrada. Uniu estudo, silêncio, oração, pesquisa e mística. Ela não escreveu sobre ele, ela deixou-se moldar pelo ideal franciscano. Viveu no mundo como uma mulher das letras e mestra do espírito e vida franciscana. Agostinho Gemelli, OFM, no prefácio da obra sintetizou bem o que o livro traduz:

Baseado diretamente nas Fontes Franciscanas, chega, através da meditação, à compreensão da humanidade e sobrenaturalidade de Francisco de Assis, numa fusão do elemento humano e divino. A obra quer apresentá-lo através dos fatos, de um modo muito vivo e muito próximo, para que o leitor tenha em sua frente a imagem e a identidade de Francisco. É mostrar através de Francisco uma consciência e um modo de ser cristão. É uma narração religiosa e artística ao mesmo tempo. É um livro sereno, escrito com amor, por um coração franciscano.

Diz Maria Sticco: “O amor de Deus o leva a encontrar alegria em tudo, mas especialmente na dor perfeita, e eis a conclusão de que a vida é boa e tanto melhor quanto mais dolorosa; faz-lhe abraçar a morte como irmã, e eis que, se outros poetas haviam entendido que o amor é morte, São Francisco afirma que a morte é amor, compreendendo-o Dante e compreendendo-o todos aqueles que na vida não encontram amor e que, à palavra do santo, o esperam firmemente na agonia”. Se alguém quiser entender os princípios cavalheirescos que inspiraram o caminho de Francisco de Assis, leia esta obra!

FREI VITÓRIO MAZZUCO

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

FRANCISCO DE ASSIS, UM SONHO CULTURAL E ESPIRITUAL DA HUMANIDADE

Vou ao prefácio da obra que quero comentar para tirar as ideias principais desta crônica. Não existe santo a respeito do qual se tenha escrito tanto como de São Francisco de Assis. As publicações dedicadas a ele ultrapassam o quadro da literatura devocional.  Ele é uma fonte inesgotável de informação e emoção. Francisco é dessas figuras das quais a humanidade sempre sentirá orgulho. Suas qualidades forçam a simpatia; seus defeitos, se os tem, são atraentes; sua santidade nada tem de afetado ou ameaçador; seus dons naturais suscitam total admiração; e seus ensinamentos exalam o frescor, poesia e serenidade, que mesmo espíritos embotados podem encontrar neles razões para amar a vida e para crer na bondade divina. A todos cativa por sua nobreza, seu desinteresse e sua bondade.

Este homem cavalheiroso avança sempre nobremente para os elevados objetivos que se propôs. Ignora pensamentos medíocres, as mentiras piedosas, pensamentos mesquinhos. Se respeita todas as elites, se obedece de boa vontade não apenas aos superiores, mas também aos iguais e aos inferiores. Não é por nenhum servilismo lisonjeiro, próprio de aduladores e de escravos. Realmente ele nasceu príncipe. E que razões teria ele para lisonjear, se não procura de forma alguma vantagens temporais? Deixa as honras para os outros, esquiva-se das polêmicas, não se preocupa com o amanhã. Quando tem dinheiro, o dá a quem lhe pede; quando não tem, vai aos mendigos para dar-lhes suas vestes. Todos os irmãos desfrutam da sua afeição. Em primeiro lugar os leprosos. Em seguida, os salteadores dos caminhos e os demais pecadores, pelos quais transborda de indulgência e ternura. Pois não julga a ninguém. Inclina-se obsequioso ao menor dos semelhantes, trata a todos com respeito, fala a todos com gentileza e cortesia.

Quer saber mais? Leia a bela biografia: Vida de São Francisco de Assis, de Omer Englebert, EST Edições, Porto Alegre, 2004.  Obra indispensável! Uma primorosa tradução de Frei Adelino G. Pilonetto.

FREI VITORIO MAZZUCO

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

FRANCISCO DE ASSIS: O LEIGO E O RELIGIOSO

Indico o livro Francisco de Assis, de Jacques Le Goff, Record, Rio de Janeiro, 2007. O autor, consagrado historiador e medievalista, foi presidente da célebre Escola de Altos Estudos de Ciências Sociais, na França. Como todo bom estudioso e pesquisador do período medieval, Jacques Le Goff, não deixa de interessar-se por São Francisco de Assis. Ele mostra Francisco como personagem histórico, leigo e religioso, que sacudiu a religião, a civilização e a sociedade de então. Nas cidades em pleno desenvolvimento, nas estradas, nos solitários retiros em cavernas e florestas, com a nova prática da pobreza, da humildade e da palavra. Indo por um caminho, às vezes diferente da eclesiologia da época, mas sem cair na heresia. Francisco desempenhou um papel decisivo no impulso de novas ordens mendicantes, difundindo um apostolado voltado para a nova sociedade cristã, e enriqueceu a espiritualidade com uma dimensão ecológica que fez dele o criador de um sentimento medieval da natureza expresso na religião, na literatura e na arte.

Jacques Le Goff, nesta obra, destaca Francisco como modelo de um novo tipo de santidade centrado sobre Cristo, a ponto de se identificar com ele como o primeiro homem a receber os estigmas. Foi um dos personagens mais importantes de seu tempo e, até hoje, da história medieval. Um santo sempre moderno. Ecologista na sua fascinação pela natureza, anticonsumista na radical opção pela simplicidade, defensor da liberdade de espírito, da alegria, da vida comunitária, do feminino, uma história total que sempre abalou as estruturas do poder. Em Francisco de Assis, a vida e as virtudes são o essencial. Em vida e depois da morte, este santo, seduziu e contribuiu muito para impor um modelo de santidade em que a imitação cristológica tem grande parte e em que predominam a humildade, a pobreza e a simplicidade.

FREI VITÓRIO MAZZUCO