quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

FRANCISCO DE ASSIS, UM SONHO CULTURAL E ESPIRITUAL DA HUMANIDADE

Vou ao prefácio da obra que quero comentar para tirar as ideias principais desta crônica. Não existe santo a respeito do qual se tenha escrito tanto como de São Francisco de Assis. As publicações dedicadas a ele ultrapassam o quadro da literatura devocional.  Ele é uma fonte inesgotável de informação e emoção. Francisco é dessas figuras das quais a humanidade sempre sentirá orgulho. Suas qualidades forçam a simpatia; seus defeitos, se os tem, são atraentes; sua santidade nada tem de afetado ou ameaçador; seus dons naturais suscitam total admiração; e seus ensinamentos exalam o frescor, poesia e serenidade, que mesmo espíritos embotados podem encontrar neles razões para amar a vida e para crer na bondade divina. A todos cativa por sua nobreza, seu desinteresse e sua bondade.

Este homem cavalheiroso avança sempre nobremente para os elevados objetivos que se propôs. Ignora pensamentos medíocres, as mentiras piedosas, pensamentos mesquinhos. Se respeita todas as elites, se obedece de boa vontade não apenas aos superiores, mas também aos iguais e aos inferiores. Não é por nenhum servilismo lisonjeiro, próprio de aduladores e de escravos. Realmente ele nasceu príncipe. E que razões teria ele para lisonjear, se não procura de forma alguma vantagens temporais? Deixa as honras para os outros, esquiva-se das polêmicas, não se preocupa com o amanhã. Quando tem dinheiro, o dá a quem lhe pede; quando não tem, vai aos mendigos para dar-lhes suas vestes. Todos os irmãos desfrutam da sua afeição. Em primeiro lugar os leprosos. Em seguida, os salteadores dos caminhos e os demais pecadores, pelos quais transborda de indulgência e ternura. Pois não julga a ninguém. Inclina-se obsequioso ao menor dos semelhantes, trata a todos com respeito, fala a todos com gentileza e cortesia.

Quer saber mais? Leia a bela biografia: Vida de São Francisco de Assis, de Omer Englebert, EST Edições, Porto Alegre, 2004.  Obra indispensável! Uma primorosa tradução de Frei Adelino G. Pilonetto.

FREI VITORIO MAZZUCO

Nenhum comentário: