quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

ANO DA VIDA RELIGIOSA CONSAGRADA - Alguns Apontamentos - III



16. O Carisma da Vida Religiosa Consagrada nasce sempre da base e não da hierarquia. A Vida Religiosa Consagrada nasce diretamente dos fiéis. A ação do Espírito insuflando carismas vem antes da reflexão teológica e mesmo antes do Direito Canônico. A Vida Religiosa Consagrada é gratuita, é garantida por Deus e não pelo Código de Direito Canônico, por Regras, Constituições ou Estatutos.

17. A Vida Religiosa Consagrada não é uma forma de associação na Igreja, mas faz parte da estrutura essencial da Igreja. Colabora com a santidade da Igreja e do mundo. É servir a Igreja de acordo com a Identidade própria do Carisma específico. São Francisco colocou a sua Vida Religiosa no mundo.

18. Falar de Vida Consagrada é um tanto equívoco. Só existe uma consagração: o Batismo. A Vida Religiosa Consagrada não comporta teologicamente uma nova consagração, mas sim uma reafirmação da consagração batismal.

19. A Vida Religiosa Consagrada é um dos fenômenos maiores entre os fenômenos religiosos da humanidade. É um nível elevado, mas não significa que tem o monopólio da qualidade cristã. Faz parte da dimensão religiosa do humano.

20. A Vida Religiosa Consagrada tem que ser um motivo forte e religioso para existir no mundo (essência). É um modo sistemático de Vida Comum, de Regra e Constituições, de governo, de formação, de disciplina (forma). É uma reencantar os verdadeiros valores do Evangelho redimensionando assim todos os aspectos da vida na sua dimensão espiritual, antropológica, sociológica, psicológica e das relações humanas  (caráter).

Imagem: "São Francisco e São Domingos", Benlliure

Continua

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

ANO DA VIDA RELIGIOSA CONSAGRADA - Alguns Apontamentos - II



11. Sobre a Vida Religiosa Consagrada existem muitos escritos. O que é bom, verdadeiro, o que responde vem aos poucos. Para o trabalho de conhecer tudo o que se escreve é preciso: 1. Ler bem o que foi proposto. 2. Refletir bastante 3. Fazer uma reflexão sobre a Vida Religiosa Consagrada a partir da própria vida, da própria experiência. Não existe Vida Religiosa Consagrada abstrata, existe o religioso, a religiosa, concretos!  4. Ver, conhecer e saber a partir do que é a verdadeira face da Vida Religiosa Consagrada.

12. Faltam ainda bons teólogos sobre a Vida Religiosa Consagrada. Alguns até tem um espírito antirreligioso e não acentuam a compreensão cristológica da Vida Religiosa Consagrada. Ainda falta uma grande pesquisa com bastante rigor científico. Se olharmos bem, cada vez que se faz a pergunta: O que significa Vida Religiosa Consagrada? Vemos logo que não se tem ou não se pode tratar de um conceito imediato claro. Há uma supervalorização da Atividade Religiosa da Vida Religiosa Consagrada sem levar em conta que o principal serviço que ela presta à Igreja e ao mundo é a sua presença carismática. É um instrumento de serviço à vida a partir de um carisma próprio. Confunde-se muito Atividade Religiosa com Vida Religiosa.

13. Jesus Cristo, para a Vida Religiosa Consgrada, é a pessoa concreta a ser imitada. Os Fundadores e Fundadoras são instrumentos privilegiados da mediação entre Jesus Cristo, o Evangelho e nós. O que significa Jesus Cristo e os fundadores como herança, como patrimônio de um carisma específico?

14.Viver a Vida Religiosa Consagrada é viver evangelicamente. É um meio de amar mais e melhor. A Vida Religiosa Consagrada é um fato teológico histórico, um projeto evangélico real, uma opção existencial. Não é um ideal abstrato parado no tempo. Não é algo que todo mundo faz igual, cada Carisma tem o seu jeito, a sua especificidade.

15. Função desta reflexão que aqui estamos fazendo: Saber  primeiro  por que se vive e depois  como  viver. Na Formação para a Vida Religiosa Consagrada é preciso saber bem o que é um ser religioso para depois formá-lo. É preciso deixar bem claro o porque se é um religioso, uma religiosa, para depois entrar nas vastidões de obras e atividades.

Imagem: Piero Casentini, "Francisco e Jesus Cristo"

Continua

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

ANO DA VIDA RELIGIOSA CONSAGRADA - Alguns Apontamentos - I


1. A reflexão que aqui iniciamos é uma escolha. Temos que entrar na vastidão do tema da Vida Religiosa Consagrada e buscarmos compreender a Identidade Teológica da Vida Religiosa Consagrada como Identidade de Vida Cristã. Ela é uma profusão de possibilidades temáticas, mas vamos procurar entender a sua Identidade.

2. Precisamos ir aos Documentos do Magistério porque tanto o Vaticano II como os Documentos vindos dos Papas querem levar adiante, na Igreja, uma reflexão teológica para que a Vida Religiosa Consagrada tenha uma experiência viva, teologal, fiel ao Evangelho, aos sinais dos tempos, e ao carisma cristão religioso.

3. A Vida Religiosa Consagrada pode ser identificada sob diversos aspectos: pastoral, eclesial, canônico e por sua inserção dentro da realidade. Não podemos pensar a Vida Religiosa Consagrada como uma realidade abstrata, conceitual ou ascética. Estamos falando é de um FATO DE VIDA, de um  ESTADO DE VIDA, com uma FUNÇÃO BEM CONCRETA.

4. Parece redundância falarmos de Teologia da Vida Religiosa Consagrada. Mas a realidade teológica da Vida Religiosa Consagrada supõe uma precisão importante: ela é uma experiência de FÉ! Ela é expressão e encarnação de experiências bíblica, histórica, teológica, jurídica, psicológica, sociológica e cristã. É UM ASPECTO RADICAL DA REALIDADE CARISMÁTICA DO SER CRISTÃO DA IDENTIDADE IGREJA.

5. A VIDA RELIGIOSA CONSAGRADA É ANTES DE TUDO UM FATO TEOLÓGICO!

6. A funcionalidade da Vida Religiosa Consagrada é presença e serviço. É a consequência lógica de Ser Pessoa Religiosa Consagrada.

7. A Vida Religiosa Consagrada é comunitária! Vive-se em grupos, em fraternidades, em comunidades, portanto é um forte FATO SOCIAL!

8. A reflexão teológica da Vida Religiosa Consagrada é a sua constante renovação. Claro que a renovação não vem de uma elaboração teológica clara, mas de sua experiência vital. A renovação da Vida Religiosa Consagrada vem através da vida. Nasce da experiência e da Força do Espírito e na realidade vivida, cada dia, dos valores do Evangelho.

9. É um projeto existencial!

10. É mais um modo de ser do que um modo de fazer. A sua ação é consequência. Não consiste em fazer qualquer coisa, mas existir no mundo de maneira religiosa consagrada.

Continua

Reflexões Franciscanas - 21


49. Muitas vezes aparece o pedido para desenvolver temas como este: “Valores caracterizantes da espiritualidade franciscana”, basta que olhemos as Fontes eles aparecem de um modo muito nítido, como vimos em todas as citações aqui elencadas. O jeito franciscano é simples: olhar com os olhos do espírito todo o modo de relacionar-se com Deus, com os seres humanos e com todas as criaturas. Olhar com os olhos do espírito é olhar tudo no Todo e olhar o todo com tudo; é uma concepção holística da vida. É formar-se a partir de uma visão humana, cristã e franciscana da vida. Não é o único caminho, mas é uma das possibilidades de se chegar à maturidade humana. Do pessoal para o fraterno e do fraterno para o social. Tudo filtrado por uma sólida espiritualidade.

50.  A partir de Francisco de Assis temos uma visão muito positiva do ser humano. Para ele, cada pessoa tem que ser vista com muita reverência porque ela traz em si o mistério de Deus expresso em todos os seus dons particulares. Cada pessoa reflete a imagem de Deus. Do leproso à dama nobre, sua amiga Jacoba de Settesoli, cada pessoa é grandiosa em si mesma. Mas a Pobreza e a Minoridade aproximam e levam com especial atenção, junto aos que mais necessitam, aqueles que neste mundo são socialmente  excluídos dos privilégios. Não se pode aplaudir um mundo evoluído enquanto a dignidade e beleza do humano está ameaçada. Trabalhar com os pobres, entre os pobres e para os pobres não é apenas um estilo de vida, é a própria Forma de Vida franciscana. Servir a todos com cuidado amoroso como do mesmo modo que gostaríamos de ser cuidados em todas as etapas de nossa vida.

Frei Vitório