sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Desejo, vontade e busca


Há 800 anos dizia Francisco: "É isto que eu quero, é isto que eu procuro, é isto que eu desejo de todo coração" (1Cel 22). Foi esta paixão da vontade, o desejo que instaura a busca e a criação da Ordem que se atualiza hoje. O ano de 2009 é marco comemorativo de uma escuta, conversão, discernimento evangélico, obras santas, vida pessoal e fraterna segundo o Evangelho, espanto e gratidão, maravilhamento e provocação diante do dom da vocação, restituição ao povo e ao mundo, através de palavras e da vida, através de gestos concretos. Celebrar é devolver com alegria e ação de graças tudo o que recebemos. Neste ano de 2009, nós Frades Menores queremos com toda a Família Franciscana reencantar uma origem, vocação e missão que existe a oito séculos!


Folhinha do Sagrado Coração

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Palavra Franciscana



“Meu Deus e meu Tudo!“
Francisco assim exclama, admira, contempla, repete, invoca...assim adensa a sua experiência de saborear a presença do Sagrado.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Palavra Franciscana



Viver franciscanamente é despojar-se de qualquer sofisticação.

É repetir continuamente gestos de generosidade e acreditar numa Novidade Originária.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Irmã Morte



Francisco de Assis preparou o momento da sua morte como uma grande celebração. Não quis o véu da tristeza mas sim o sereno júbilo dos realizados. Convocou os frades para entoarem o Cântico das Criaturas onde um verso assim dizia:


"Louvado sejas, meu Senhor, por nossa Irmã, a morte corporal, da qual homem algum pode escapar!" E assim aconteceu o seu "transitus", isto é, sua passagem para a vida eterna, no entardecer do dia 03 de outubro de 1226. .

Assim, a palavra "trânsito" passa a ser uma tradição franciscana para lembrar a última e definitiva passagem do humano. É a viagem dos justos para a eternidade, a passagem desta vida para a vida eterna. A este trânsito alude o prefácio da Missa de Exéquias: "aos vossos fiéis, Senhor, a vida não lhes é arrancada, mas apenas transformada".

Que transformação é esta? A alma entra glorificada no Paraíso que construiu já aqui nesta vida. Constrói na força do instante bem-vivido, cada dia, para habitar na eternidade. O jeito franciscano de viver é abraçar a pureza evangélica; ser um amante da fraternidade; um apóstolo construtor da paz; cultor da pobreza, alegre e pequeno servidor; denunciar com o testemunho de vida a vaidade e o poder; ser uma criatura livre nas asas do espaço e do tempo; cantar sem cessar a alegria de viver! Quem vive assim, permanece!

A morte não marca o fim da existência do humano que crê, mas abre as portas para a verdadeira imortalidade. Quem vive imerso na Grandeza do Amor celebra, com os irmãos e irmãs, a vida de tudo e de todos, imprimindo certeza e alegria de quem sabe que, vivendo uma vida fiel aos valores do Evangelho, vai participar da Ressurreição. .

A morte dá um acabamento final a uma vida de empenho, ascese, entrega e penitência. É um happy end. Uma apoteose final. Ser penitente é limpar dentro de si e na vida aquilo que não é bom para se chegar a uma retidão de vida. Não adianta lutar por uma ordem externa, se o interior não tiver conquistado a própria harmonia. Superar dificuldades, doenças, sofrimentos, limitações pertence também ao caminho da perfeição.

A boa tradição franciscana acolhe serenamente a morte, cantando, porque a vê como o momento culminante da vida. É a porta para a Vida Eterna! "É morrendo que se vive para a Vida Eterna!" Hóspede bem-recebida é abraçada por um divino nobre e não por um humano amargo. A morte é consumação da existência e a entrega de uma vida vivida em plenitude. A consciência da morte é que dá sentido à vida, pois esta é compreendida como mera transitoriedade. Através da morte podemos contemplar a presença do Grande Pai acolhendo, recebendo o filho ou a filha amada. A entrega final e reconciliadora com quem nos deu a origem. Louvado sejas, meu Senhor, pela Irmã Morte! Morte que abre as portas para ti! Morte que chegou na hora devida, preparada, amada, intensa. Morte na Paz, morte no Bem, morte para a Vida, morte sem morte, morte Irmã!